PF apura crimes de corrupção e lavagem de dinheiro pela Educação do Estado em 2018

11 de junho de 2024 Off Por

43 servidores são notificados pelo Estado por acúmulo de cargos Foto: Arquivo/Divulgação. Foto: Arquivo/Divulgação

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (11) a Operação Livro Aberto, que investiga prejuízos de R$ 4 milhões aos cofres públicos a patir de contratos formalizados pela Secretaria de Estado da Educação no ano de 2018. Foram expedidos 12 mandados de busca e apreensão pelo Superior Tribunal de Justiça.

São alvos de mandados de busca e apreensão o deputado estadual Branco Mendes (Republicanos) e o ex-deputado estadual Lindolfo Pires, que atualmente ocupa o cargo de secretário de Estado de Juventude Esporte e Lazer da Paraíba (Sejel-PB).

Além dos mandados, que foram cumpridos em João Pessoa, Campina Grande, Lagoa Seca, Ponta de Pedras (PE) e Arapiraca (AL), também foi decretada indisponibilidade de bens, valores, dinheiro e ativos dos investigados visando recompor o prejuízo.

Veja quem são os investigados na operação Livro Aberto

  • Artur Cunha Lima, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado
  • Lindolfo Pires, ex-deputado estadual e atual secretário da Sejel-PB
  • Branco Mendes, deputado estadual
  • Tião Gomes, deputado estadual
  • Artur Cunha Lima Filho, ex-deputado estadual
  • Edmilson Soares, ex-deputado estadual
  • Genival Matias, ex-deputado estadual (que morreu em 2020)

Conforme a PF, os suspeitos são investigados pelos crimes de fraude em licitação, desvio de recursos públicos, corrupção passiva, corrupção ativa e lavagem de dinheiro.