Alunos conquistam cinco prêmios na maior feira de ciências do mundo

6 de junho de 2024 Off Por





Estudantes de ensino médio e técnico selecionados em feira da Escola Politécnica (Poli) da USP participaram da Regeneron ISEF, Los Angeles



O evento reuniu mais de 1.600 estudantes de cerca de 60 países

Estudantes brasileiros conquistaram cinco premiações na principal feira de ciências e engenharia do mundo, a Regeneron International Science and Engineering Fair (ISEF), realizada em Los Angeles (EUA) de 11 a 17 de maio. O evento reuniu mais de 1.600 estudantes de cerca de 60 países para competir por bolsas de estudo, estágios, viagens de campo e um total de US$ 9 milhões em premiações.

A delegação brasileira foi composta por 28 estudantes de ensino médio e técnico, de várias regiões do país – 16 deles foram selecionados pela Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), de São Paulo, patrocinada pela Embaixada e Consulados dos EUA no Brasil e organizada pela Escola Politécnica (Poli) da USP. Os demais, pela Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia (Mostratec), de Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul.

A premiação foi dividida em duas modalidades: Grand Awards Ceremony (prêmios de primeiro a quarto lugar, entregues pela organização da feira) e Special Awards Ceremony (prêmios concedidos pelas mais de 45 instituições de ensino e pesquisa parceiras).

Na Grand Awards Ceremony, o Brasil conquistou o segundo lugar na categoria Plant Sciences. Selecionada pela Febrace, a premiada, recebendo US$ 2 mil, foi Gabrielle de Oliveira Rodrigues, da Escola de Ensino Médio Luiz Girão, em Maranguape (CE). Ela desenvolveu, no projeto RCMC – revestimento comestível à base de mandacaru e carnaúba: uma nova alternativa como conservante de frutos, um conservante natural, especificamente para os tomates — cujas perdas são elevadas ao longo da cadeia produtiva. Feito a partir do mandacaru e da carnaúba, o conservante é capaz de preservar o fruto durante um período de 21 a 27 dias, enquanto outros encontrados no mercado, majoritariamente sintéticos, preservam de 12 a 18 dias, e os frutos sem conservantes se deterioram entre o 6º e o 12º dia.

Estudantes premiados na competição: Caio Nunes Santana, Emily Kanashiro da Hora, Carolina de Araujo Pereira da Silva, Alana Carolina da Costa França, Gabrielle de Oliveira Rodrigues, Pedro Paulo Milhomem Braga

Na Special Awards Ceremony, Carolina de Araujo Pereira da Silva, também selecionada pela Febrace, recebeu US$ 5 mil com o primeiro prêmio do Drug, Chemical & Associated Association, além de US$ 1,5 mil com o terceiro lugar no prêmio da Mary Kay Inc. A estudante do Instituto Federal do Rio de Janeiro, campus Rio de Janeiro, desenvolveu o projeto Dinâmica de expressão de transportadores de metais como marcadores de malignidade e alvos terapêuticos no câncer, que identificou, in vitro, as proteínas transportadoras que levam o manganês a se inserir nos tumores do câncer e, portanto, podem servir como alvo para estudos futuros que visam encontrar terapias para a doença. Esse trabalho dá continuidade à linha de pesquisa coordenada pela professora Mariana Paranhos Stelling, que já havia identificado, em camundongos, que o acúmulo do metal manganês, adquirido via alimentação, contribui para a malignidade do câncer.

Nessa mesma cerimônia, Alana Carolina da Costa França, Caio Nunes Santana e Emily Kanashiro da Hora, estudantes do Instituto Federal da Bahia, campus Camaçari, também selecionados pela Febrace, receberam uma menção honrosa da American Chemical Society e US$ 100,00 com o projeto Do cafezinho ao carvão ativado: usando borra de café para tratar efluentes têxteis.

Já Pedro Paulo Milhomem Braga, aluno da Escola Santa Teresinha, em Imperatriz (MA), selecionado pela Mostratec, recebeu o prêmio Non-Trivial Fellowship Scholarship, que o concedeu uma bolsa de participação em programa de formação on-line para estudantes de ensino médio, no valor de valor U$ 500. Ele apresentou o projeto Análise do biopotencial larvicida do Joá Bravo (Solanum Viarum Dunal) em larvas de mosquitos causadores de doenças tropicais.

Feira brasileira

Promovida anualmente pela Escola Politécnica da USP e realizada pelo Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSI-TEC), a Febrace é a maior feira brasileira pré-universitária de Ciências e Engenharia em abrangência e visibilidade. Seu objetivo é estimular a cultura científica, a inovação e o empreendedorismo na educação básica e técnica, despertando novas vocações nessas áreas e induzindo práticas pedagógicas inovadoras nas escolas. Na feira, são selecionados todos os anos nove projetos para participar da ISEF.

Siga o canal “Governo de São Paulo” no WhatsApp:
https://bit.ly/govspnozap